Tradução de documentos para processo de cidadania

Existem várias exigências para o processo de cidadania que mudam para cada país e língua, mas em geral primeiramente precisamos encontrar todos nossos documentos que comprovam nossas descendências, e obrigatoriamente se for um país de língua diferente da nossa, devemos realizar o processo de tradução juramentada junto a umas empresas especializadas ou um tradutor habilitado na Junta Comercial, etapa essa que irar fazer o documento ter validade legal em outros países.

Para que serve a tradução juramentada desse tipo de documentos?

Graças a globalização, nosso mundo está mais conectado e integrado, e com isso vem a necessidade de se traduzir um documento para diferentes línguas, e a necessidade de ter validade naquele território, e para chegar nessa etapa precisamos do processo de tradução juramentada, serviço esse que conta com exigências burocráticas e legais específicas.

O que é a tradução juramentada?

Uma tradução juramentada, ou também conhecida de tradução pública, é a forma oficial, ou seja, não é apenas uma transposição de um texto, a produção segue o uso de regras básicas para ter validade no país de origem e no exterior, fazendo que ele seja aceito em lugares como a maioria dos órgãos, entidades, consulados, faculdades, empresas públicas e empresas privadas.

Como funciona o processo de tradução de documentos?

O serviço para ser valido conta com uma série de regras, não basta apenas você saber a língua de que precisa para a tradução. É preciso que procure por empresas especializadas em traduções e um tradutor juramentado devidamente habilitado na Junta Comercial do estado que oferecerá seus serviços. Ou seja, por serem documentos oficiais a sua tradução pode ser somente feita por uma pessoa com fé pública assim contando com a confiança das instituições públicas para atribuir validade legal necessária ao documento que será traduzido. 

Documentos necessários para o processo de cidadania

Os documentos exigidos para o reconhecimento da cidadania dependem formação da árvore genealógica de cada família e do local onde o processo será protocolado.

(Documento que origina a cidadania, na qual conste o nome dos pais e que deverá ser solicitado no município de nascimento do antepassado);

  • Certidão de Casamento e de Óbito do antepassado

(Documentos originais, com apostila e tradução dos documentos para língua especifica efetuada por um tradutor juramentado);

  • Cópia simples da Carteira de identidade (RG) brasileira

(Emitida em até 10 anos no momento da convocação);

  • Certidões de registro civil brasileiras (ex.: nascimento, casamento, divórcio. Essas certidões deverão ser originais, em inteiro teor, com apostila e tradução dos documentos para língua especifica efetuada por um tradutor juramentado).

Como fica o documento após a tradução?

Além de todas a exigências aos tradutores e a própria tradução em si, existem exigências a como os documentos devem ser formatados após o serviço.

Os documentos devem ter um formato padrão em papel timbrado, com identificação e assinatura do profissional responsável pela tradução, e claramente tudo no documento original deve ser traduzido inclusive carimbos, selos, brasões, escudos, assinaturas e outras marcas não textuais para não perder nenhuma informação. Por ultimo o documento traduzido para manter sua validação, deve acompanhar o original para que sua validade legal seja mantida e comprovada.

Mas o que é essa apostila citada?

Apostilamento de Haia é um processo que autentica a origem de um documento público tornando menos burocrático sua utilização em outros países. Importante citar que o Brasil passou a fazer parte da Convenção da Haia com o decreto legislativo nº 148 de 2015. Até o momento da entrada a utilização internacional de qualquer documento emitido em nosso território necessitava da legalização consular.