terça-feira, fevereiro 20

    Os altos preços nos mercados tem feito com que o consumidor busque novas alternativas

    A alta no preço dos alimentos foi um dos assuntos mais debatidos por especialistas e cidadãos. Basta ir até a prateleira dos mercados para notar a diferença que pode crescer a cada semana, afetando a conta na hora de passar no caixa. 

    Os derivados do leite passaram por uma alta ainda mais significativa. Na hora de comprar leite condensado, por exemplo, é possível encontrar novas alternativas para o produto. Mas afinal, as substituições funcionam ou garantem apenas uma falsa sensação de economia?

    A busca por novos derivados

    Antes de falar sobre os produtos em si, é importante entender a alta das bebidas lácteas, do soro de leite, da mistura láctea e de outros derivados. No último ano, essas opções passaram a ocupar um espaço maior nas prateleiras dos mercados, principalmente pelo preço baixo. 

    Com a chegada de novos produtos, o consumidor pode ficar confuso com as diferenças que vão além do valor. Afinal, o gosto e as utilidades são as mesmas? Tudo vai depender do objetivo que o consumidor busca atingir. Por isso, é importante ficar de olho nas embalagens e conhecer melhor os principais produtos. 

    Conheça os principais produtos para substituições

    Antes de optar por um derivado mais barato, é importante conhecer as suas propriedades e entender qual produto ele é capaz de substituir. Abaixo, você confere mais informações sobre cinco derivados: 

    Bebida láctea, soro de leite e derivados
    Bebida láctea, soro de leite e derivados

    Bebida láctea

    A bebida láctea pode ser encontrada ao lado dos iogurtes e é uma opção mais barata para o consumo. A principal diferença entre os produtos está na fabricação. Enquanto o iogurte é feito a partir da fermentação do leite, a bebida láctea é produzida através do leite fermentado com soro e pode conter amido de milho ou leite em pó. O gosto e a consistência são semelhantes, mas vale ressaltar que o iogurte é mais saudável. 

    Soro de leite

    O soro de leite pode ser considerado um subproduto, uma vez que tem a sua origem na produção de queijos e é reutilizado para a fabricação de novos derivados. No entanto, com a alta no preço do leite, alguns mercados passaram a oferecer o produto como uma forma de substituição. Com composições diferentes, o soro de leite não possui as gorduras e nutrientes presentes no leite convencional, fazendo com que ele não seja uma substituição ideal. 

    Mistura láctea

    A mistura láctea se tornou um dos derivados mais populares graças a alta do preço do leite condensado. Lado a lado nas prateleiras, eles são usados principalmente na confecção de doces, mas será que o resultado é o mesmo? 

    A resposta é não! O leite condensado é composto a partir do leite tradicional e do açúcar, enquanto a mistura láctea é feita do soro do leite, gordura vegetal, açúcar, amido de milho e uma quantidade reduzida de leite. As diferentes composições afetam a textura e o sucesso das receitas onde o leite condensado é originalmente usado. 

    Creme culinário

    O creme culinário surgiu como uma opção mais em conta para o creme de leite. Quando usado em receitas, ele atinge o resultado esperado, entretanto é menos nutritivo do que o produto original. Isso acontece porque enquanto o creme de leite tem como base principal o leite, o creme culinário tem como principais ingredientes os cremes vegetais, componentes não lácteos e uma pequena parcela de leite. 

    Composto lácteo 

    Substituto do leite em pó, o composto lácteo também possui a mesma textura. A principal diferença está na composição: enquanto o leite em pó, como o nome indica, é feito apenas à base de leite, o composto lácteo é composto por 50% de leite e 50% de outras substâncias que podem variar entre óleos vegetais, soro de leite e outros derivados. Dessa forma, o composto se torna uma opção menos nutritiva

    Compartilhe.
    Avatar de Nathan López Bezerra

    Formado em Publicidade e Propaganda pela UFG, Nathan começou sua carreira como design freelancer e depois entrou em uma agência em Goiânia. Foi designer gráfico e um dos pensadores no uso de drones em filmagens no estado de Goiás. Hoje em dia, se dedica a dar consultorias para empresas que querem fortalecer seu marketing.